breadcrumbs
  1. Home
  2. Condução automatizada
  3. Cinco perguntas para Dr. Elmar Degenhart sobre mobilidade futura

Cinco perguntas para Dr. Elmar Degenhart sobre mobilidade futura

A mobilidade individual do futuro enfrenta grandes desafios. Os combustíveis fósseis são escassos, a urbanização aumenta à medida que as pessoas envelhecem e desejam permanecer móveis e autônomas até uma idade avançada. É nossa obrigação fornecer soluções para estas questões. Por isso, desenvolvemos tecnologias que permitem uma mobilidade segura, eficiente e inteligente a nível mundial, a um preço acessível.

Dr. Elmar Degenhart

Presidente do Conselho de Administração


"A Continental molda a mobilidade do futuro."

O carro próprio perderá, futuramente, sua atratividade?

A grande maioria das pessoas estão felizes em dirigir seus carros e querem usá-los no contexto de sua vida cotidiana. É o que mostra nosso estudo sobre mobilidade para 2015. Isto prova que o ato de dirigir é, acima de tudo, impulsionado pela emoção e menos pela razão. Por isso, esperamos a médio prazo uma demanda crescente de automóveis.

Isto também se aplica às gerações mais jovens?

Ao contrário do que muitos dizem, eu afirmo: As gerações futuras continuarão a querer possuir um carro próprio. Mas o carro deve se tornar mais inteligente. Pois, o ato de dirigir não deverá abrandar ou mesmo impedir o aumento da comunicação entre as pessoas. Até agora, o carro era praticamente um espaço livre de Internet entre o escritório e o lar. No futuro, o carro irá enviar, receber e processar informações digitalmente mais rápido. Cabe à própria indústria automobilística estar a par da expectativa de vida e do desejo dos jovens e, por exemplo, ampliar o leque de serviços em rede no carro.

Um dos objetivos da Continental é disponibilizar mobilidade individual para todos.  Isto não significa expor mais veículos à falta de segurança nas estradas?

O carro do futuro irá evitar, desde cedo e de maneira mais eficiente, acidentes por meio de um manto protetor de dados do veículo e informações fornecidas por outros utilizadores da estrada.

Hoje em dia, o erro humano é responsável por 95 por cento de todos os acidentes. As principais razões para isso são inexperiência, fadiga e a condução sob influência do álcool. O nosso intuito é deliberadamente apoiar e aliviar as funções do motorista, a fim de aumentar a segurança rodoviária. Para isso, sistemas de assistência ao condutor são fundamentais. O assistente de freio de emergência e a exibição do ponto cego no espelho lateral são exemplos atuais de como eles ajudam o condutor.

Porque é que a conectividade do veículo é tão importante?

Com o aumento da conectividade, os veículos se tornam mais inteligentes e parte da Internet. Com a ajuda de sensores de ambiente, como câmeras e sistemas de radar, os veículos se tornam cientes de seu entorno. Sistemas de assistência ao condutor avaliam os dados dos sensores e pode intervir na condução em situações perigosas. Através da troca de dados entre veículos e infraestrutura de transporte, é possível banir acidentes para sempre, reduzir o consumo de combustível e aumentar o conforto na condução. Dados importantes, tais como as condições de tráfego ou de tempo, podem ser compactados em um chamado back-end, ou seja, um centro de processamento de dados, e disponibilizá-los para todos os utilizadores das estradas em tempo real. Isso permite que a situação de condução em questão se adapte mais cedo e mais rapidamente às exigências atuais, bem como a qualquer situação de perigo. Com isso, os veículos no futuro aprenderão a "olhar ao virar da esquina" e reconhecer um engarrafamento por trás de uma curva muito antes da chegada. Veículos conectados são uma questão-chave da mobilidade futura.

Como os veículos podem ser concebidos mais ecologicamente corretos?

Quanto mais móvel se torna a população mundial, mais importante é moldar esta mobilidade de maneira sustentável, permitindo assim o emprego e o uso equilibrados da energia. O motor de combustão vai continuar a ser o acionamento principal do veículo para além do ano 2020. Por isso, continuaremos a depender de um desenvolvimento da tecnologia de acionamento, no que diz respeito o motor a diesel e gasolina.

Ao mesmo tempo, não há como negar o potencial dos veículos elétricos. Pois, através deles, continuaremos a diminuir as emissões de CO2, protegendo, assim, o mundo em que vivemos. Nós apostamos na eletrificação customizada. E com isso, combinamos os pontos fortes do motor de combustão com os do motor elétrico.