Após um bom primeiro semestre, a Continental aumenta as previsões para a margem de EBIT ajustado para cerca de 11%

Aug 4, 2015

  • Volume de vendas após seis meses aumenta 15,8% para 19,6 mil milhões de euros
  • Resultado operacional do grupo ascende a mais de 1,4 mil milhões de euros
  • Resultado operacional (EBIT) é superior a 2,1 mil milhões de euros
  • Free Cashflow antes das aquisições aumenta consideravelmente para 882 mil milhões de euros
  • Número de colaboradores aumenta para mais de 205 000 colaboradores

Hannover, 4 de agosto de 2015. Após um primeiro semestre bem-sucedido, o grupo Continental melhora o prognóstico de resultados para o ano fiscal de 2015. "Depois de termos previamente presumido uma margem superior a 10,5%, queremos atingir uma margem de EBIT justado de cerca de 11% para o ano inteiro. Devido ao desenvolvimento positivo do primeiro semestre, aumentamos também as previsões para o Free Cashflow antes das aquisições de, pelo menos, 1,5 mil milhões de euros para, no mínimo,1,8 mil milhões de euros", afirmou o Presidente do Conselho Administrativo da Continental, Dr. Elmar Degenhart, na terça-feira durante a apresentação dos resultados financeiros após os primeiros seis meses.

Aqui pode baixar a imagem (PDF)

Aqui pode baixar a imagem (JPG)

"Demonstrámos força num ambiente desafiador e, depois de um bom primeiro trimestre em 2015, crescemos mais 4,4% no segundo trimestre, ajustados com base nos impactos das alterações no círculo de consolidação e da taxa de câmbio. Para isso contribuiu também um crescimento do volume de vendas na Ásia, na ordem dos dois dígitos. Apesar de um declínio na taxa de crescimento da produção de veículos na Ásia, nos seis meses que temos pela frente contamos com um desenvolvimento financeiro estável ao nível elevado já alcançado" esclareceu Degenhart.

O volume de vendas do fornecedor internacional da indústria automóvel, fabricante de pneus e parceiro industrial aumentou 15,8% no primeiro semestre de 2015, em comparação com o mesmo período do ano anterior, para cerca de 19,6 mil milhões de euros. Simultaneamente, o resultado financeiro do grupo atribuível aos acionistas cresceu 11,1% para mais de 1,4 mil milhões de euros. Assim, o resultado por ação aumentou para 7,24 euros, em comparação com os 6,52 euros no mesmo período do ano anterior. Até ao dia 30 de junho de 2015, o resultado operacional (EBIT) do grupo tinha aumentado 19,4%, em comparação com o ano passado, para mais de 2,1 mil milhões de euros. Isto corresponde a uma margem de 11,0%, em comparação com os 10,7% do ano anterior. O resultado operacional ajustado (EBIT ajustado) aumentou 17,6%, em comparação com o mesmo período do ano anterior, para 2,3 mil milhões de euros. A margem do EBIT ajustado situou-se nos 12,2%, em comparação com 11,6% no mesmo período do ano anterior.

O Free Cashflow antes das aquisições aumentou substancialmente, em comparação com o ano anterior, de 240 milhões de euros para 882 milhões de euros. O Free Cashflow totalizou 282 milhões de euros.

"Graças à nossa saúde financeira, podemos e vamos financiar a aquisição da Veyance Technologies e o pagamento de dividendos, bem como a aquisição da Elektrobit Automotive GmbH, com os nossos próprios meios e com as concessões de crédito já existentes. Adicionalmente, em setembro deste ano pagaremos o nosso empréstimo em dólares americanos, num volume de 950 milhões de dólares, com quatro anos de antecedência. Atualmente há instrumentos de financiamento externo claramente mais favoráveis do que o empréstimo contraído. Nas semanas que se seguem iremos decidir quais usaremos no futuro", explicou o Diretor Financeiro Wolfgang Schäfer. "Com base na perspetiva atual, no final do ano as nossas dívidas financeiras líquidas estarão abaixo dos 4 mil milhões de euros", declarou Schäfer.

No final do primeiro semestre as dívidas financeiras líquidas do grupo Continental totalizavam 4,2 mil milhões de euros. Em comparação com o mesmo período do ano anterior, a melhoria ronda os 37 milhões de euros. Em comparação com o final do ano de 2014, as dívidas financeiras líquidas aumentaram cerca de 1,4 mil milhões de euros, principalmente devido à concretização da compra da Veyance Technologies no final de janeiro de 2015. O grau de endividamento (Gearing Ratio) encontrava-se em 34,1% no final de junho de 2015 (42,4% no mesmo período do ano anterior).

Em 30 de junho de 2015, a Continental dispunha de uma reserva de liquidez no valor de 6,4 mil milhões de euros, dos quais 2,3 mil milhões de euros em dinheiro, bem como um volume de 4,1 mil milhões de euros em linhas de crédito não utilizadas.

Em comparação com o ano anterior, as despesas relacionadas com os juros diminuíram 30 milhões de euros, para 178 milhões de euros. Em comparação com o ano anterior, nos primeiros seis meses de 2015, o resultado negativo dos juros diminuiu 42 milhões de euros, para 99 milhões de euros. Apesar do pagamento antecipado do empréstimo em dólares americanos, a empresa conta também com um resultado negativo dos juros de cerca de 300 milhões de euros para o ano inteiro.

Nos primeiros seis meses de 2015, a Continental investiu 816 milhões de euros em equipamentos e software. Assim, o rácio de investimento equivale a 4,2%, depois dos 4,7% no período comparável do ano anterior. As despesas com investigação e desenvolvimento aumentaram 18,7% no primeiro semestre de 2015, em comparação com o mesmo período do ano anterior, para 1,3 mil milhões de euros. Isto corresponde a uma quota de 6,5% do volume de vendas, em comparação com os 6,3% do mesmo período do ano anterior.

A Continental criou novamente postos de trabalho adicionais: no final do segundo trimestre de 2015, o grupo tinha mais de 205 000 colaboradores, ou seja, cerca de 16 000 a mais em comparação com o final do ano de 2014. Devido ao aumento dos volumes de produção e à expansão na pesquisa e desenvolvimento, o número de colaboradores no Automotive Group aumentou em quase 4000. No Rubber Group, a expansão adicional das capacidades de produção e dos canais de distribuição, bem como a aquisição da Veyance Technologies na divisão ContiTech, resultaram num aumento do número de colaboradores de cerca de 12 000. Em comparação com a data de apresentação do relatório do ano anterior, o número de colaboradores no grupo aumentou num total de cerca de 19 000.

O Automotive Group gerou um volume de vendas de 11,9 mil milhões de euros nos primeiros seis meses deste ano. A margem de EBIT ajustado ficou nos 9,1%, registando uma subida em relação aos 8,4% do ano anterior.

O Rubber Group alcançou no primeiro semestre de 2015 um volume de vendas de 7,7 mil milhões de euros, conseguindo assim melhorar a margem de EBIT ajustado em 1,3 pontos percentuais, face ao ano anterior, para 18,6%.

Grupo Continental

1 de janeiro a 30 de junho

Segundo trimestre

Milhões de euros

2015

2014

2015

2014

Volume de vendas

19 598,6

16 918,1

10 029,7

8528,0

EBITDA

3036,5

2605,8

1633,3

1310,0

em % do volume de vendas

15,5

15,4

16,3

15,4

EBIT

2161,2

1810,1

1183,3

906,9

em % do volume de vendas

11,0

10,7

11,8

10,6

Resultado financeiro do grupo atribuível aos acionistas

1448,6

1303,8

791,9

715,5

Resultado por ação em €

7,24

6,52

3,96

3,58

 

 

 

 

 

Volume de vendas ajustado1

18 836,2

16 910,4

9591,8

8525,5

Resultado operacional ajustado (EBIT ajustado)2

2304,1

1958,7

1250,2

1004,0

em % do volume de vendas ajustado

12,2

11,6

13,0

11,8

 

 

 

 

 

Free Cashflow

282,0

574,8

553,3

511,3

 

 

 

 

 

Dívidas financeiras líquidas (em 30/06)

4235,6

4272,8

 

 

Gearing Ratio em %

34,1

42,4

 

 

 

 

 

 

 

Número de colaboradores (em 30/06)3

205 288

186 278