A Continental aumenta o objetivo da margem de EBIT ajustado referente ao ano de 2013 para um mínimo de 10,5%

Nov 7, 2013

  • Após nove meses, o volume de vendas cresce para quase 25 mil milhões de euros
  • O resultado operacional ajustado é de aproximadamente 2,8 mil milhões de euros; margem: 11,3%
  • O volume de vendas do grupo de empresas deverá aumentar para cerca de 33,5 mil milhões de euros em 2013

Hannover, 07 de novembro de 2013. Com base num desenvolvimento de negócios globalmente positivo nos primeiros nove meses, a Continental aumenta o prognóstico da margem de EBIT ajustado superior a 10% para um valor mínimo de 10,5% no que diz respeito ao ano em curso. Além do bom desenvolvimento operacional, o desenvolvimento dos preços das matérias-primas também representou um fator importante, verificando-se um aumento abaixo do esperado, sobretudo no preço da borracha sintética. "Apesar de o mercado automóvel europeu estar mais debilitado, conseguimos manter o nosso percurso de sucesso. No entanto, já sentimos uma estabilização no curso dos negócios na Europa", explicou Dr. Elmar Degenhart, Presidente do Conselho Administrativo, na quinta-feira, no âmbito da apresentação dos resultados financeiros após nove meses. Este referiu também que o volume de vendas do grupo, referente ao ano inteiro, iria subir para cerca de 33,5 mil milhões de euros, uma subida ligeiramente abaixo das previsões iniciais. O motivo para tal é a valorização inesperadamente acentuada do euro face a muitas outras moedas.

Nos primeiros nove meses deste ano, o volume de vendas do grupo do fornecedor internacional da indústria automóvel, fabricante de pneus e parceiro industrial aumentou 1,2%, para aproximadamente 25 mil milhões de euros, em comparação com o mesmo período do ano passado. Até ao até ao dia 30 de setembro, o resultado operacional (EBIT) tinha aumentado 4,0%, em comparação com o ano passado, para mais de 2,5 mil milhões de euros. Isto corresponde a uma margem de 10,1%, em comparação com os 9,8% do ano anterior. O resultado operacional ajustado (EBIT ajustado) nos primeiros três trimestres aumentou 3,1% em comparação com o mesmo período do ano passado, para aproximadamente 2,8 mil milhões de euros. A margem de EBIT ajustado situava-se nos 11,3% estando, assim, acima do valor de 11,0% verificado após os primeiros nove meses do ano de 2012.

O resultado financeiro do grupo atribuível aos acionistas aumentou 8,5% nos primeiros nove meses deste ano para quase 1,6 mil milhões de euros. Assim, o resultado por ação aumentou para 7,88 euros, em comparação com os 7,26 euros no mesmo período do ano passado.

A Continental reduziu a sua dívida financeira líquida em mais de 1,2 mil milhões de euros, para quase 5,6 mil milhões de euros, em comparação com a mesma data do ano anterior. O grau de endividamento, a Gearing Ratio, melhorou correspondentemente para 61,6%, em comparação com os 87,1% no ano anterior. "Nos últimos anos, esforçámo-nos continuamente em reduzir a nossa dívida financeira líquida, visando uma melhoria dos nossos rácios financeiros", resumiu Wolfgang Schäfer, Diretor Financeiro da Continental AG. "Este esforço constante está agora a dar os seus frutos, o que se reflete também nas avaliações mais recentes das agências de classificação de risco. Com isto, estabelecemos a base para possibilidades de financiamento favoráveis a longo prazo", acrescentou Schäfer. A agência de classificação de risco Fitch classificou a qualidade de crédito da Continental como "Investment Grade" já no mês de julho e a Moody’s fez o mesmo em meados de setembro.

A Continental melhorou o seu Free Cashflow nos primeiros três trimestres em 246 milhões de euros, para 414 milhões de euros. O aumento foi sustentado pela venda das ações à S-Y Systems. "No que diz respeito ao ano inteiro, esperamos um Free Cashflow de pelo menos 800 milhões de euros", declara Schäfer.

As despesas com juros, no valor de 416 milhões de euros, encontram-se ligeiramente abaixo do valor do ano anterior, que registava 432 milhões de euros, apesar de o valor deste ano incluir despesas com juros da amortização antecipada de obrigações contraídas há três anos. "A liquidação da nossa obrigação emitida em 2010 e a emissão, nos últimos meses, de três obrigações novas com cupões de juros claramente mais baixos permitirá, a partir de 2014, uma poupança anual superior a 100 milhões de euros nos custos relacionados com juros", explicou Schäfer.

Nos três primeiros trimestres deste ano, o Grupo Continental investiu no total aproximadamente 1,3 mil milhões de euros em equipamentos e software. A quota de investimento situou-se, assim, nos 5,4% após nove meses, em comparação com os 5,1% no mesmo período do ano passado. As despesas com investigação e desenvolvimento situavam-se, no período de janeiro a setembro, quase nos 1,5 mil milhões de euros e correspondem a uma quota de 5,9% do volume de vendas. No mesmo período do ano passado a quota foi de 5,5%. "Continuamos a fazer grandes investimentos no fortalecimento do futuro da nossa empresa. A nossa taxa de investimento, que continua alta, e o ligeiro aumento das despesas com investigação e desenvolvimento comprovam isso mesmo", salientou Degenhart.

No final do terceiro trimestre, a Continental contava com 177 387 colaboradores. Isto corresponde a um aumento superior a 7700 colaboradores, em comparação com o final de 2012.
O motivo para tal é sobretudo o lançamento de produtos do Automotive Group e a expansão da capacidade do Rubber Group.Após nove meses, o Automotive Group registou um ligeiro aumento do volume de vendas de 15 mil milhões de euros, em comparação com o mesmo período do ano passado. A margem ajustada situava-se nos 7,9%, exatamente no mesmo nível do ano anterior. O Rubber Group também registou nos primeiros três trimestres um ligeiro aumento do volume de vendas de mais de 9,9 mil milhões de euros e atingiu uma margem ajustada de 17,3%, superior ao valor comparativo do ano anterior de 16,2%.

Números operacionais do Grupo Continental:

1 de janeiro a 30 de setembro

Terceiro trimestre

Milhões de euros

2013

2012

2013

2012

Volume de vendas

24 923,9

24 640,5

8349,6

8134,3

EBITDA

3801,8

3690,9

1322,5

1198,3

em % do volume de vendas

15,3

15,0

15,8

14,7

EBIT

2516,9

2420,2

886,3

766,8

em % do volume de vendas

10,1

9,8

10,6

9,4

Resultado do grupo atribuível aos acionistas

1576,0

1452,4

434,1

449,2

Resultado por ação (em €)

7,88

7,26

2,17

2,25

Volume de vendas ajustado1

24 789,9

24 614,4

8306,2

8108,2

Resultado operacional ajustado (EBIT ajustado)2

2794,3

2709,3

1017,4

854,2

em % do volume de vendas ajustado

11,3

11,0

12,2

10,5

Free Cash Flow

414,2

168,3

502,4

41,9

Dívidas financeiras líquidas (em 30/09)

5589,7

6802,2

Gearing Ratio em %

61,6

87,1

Número de colaboradores (em 30/09)3

177 387

169 909

1  Ajustado com base nas alterações no círculo de consolidação.
2  Ajustado com base em amortizações de ativos intangíveis decorrentes da alocação do preço de compra (PPA), alterações no círculo de consolidação e efeitos especiais.
3  Sem formandos e estagiários.

Hannes Boekhoff

Gerente de Mídia

Continental AG

Vahrenwalder Straße 9

30165 Hannover

Telefone: 0511 938-1278

Fax: 0511 938-1016

E-mail: corporate-media-relations@conti.de


Antje Lewe

Porta-voz de Economia & Finanças

Continental AG

Vahrenwalder Str. 9

30165 Hannover

Telefone: 0049 511 938-1364

Fax: 0049 511 938-1016

E-mail: corporate-media-relations@conti.de


Press Release - download