Continental Tagline
Sugestões
Ergebnisse 9M/9M results
© Continental AG

Continental confirma previsão de lucro para o ano fiscal em curso

  • O faturamento no terceiro trimestre está em 10,8 bilhões de euros, apesar da forte desaceleração do mercado
  • Entrada de pedidos: quase 30 bilhões de euros, quase no nível muito alto do ano anterior
  • Resultado operacional ajustado em 772 milhões de euros (margem: 7,2 por cento)
  • CEO Dr. Degenhart: "O crescimento do nosso faturamento e a entrada de pedidos no setor de eletrônica de automação são um bom sinal, em vista do fraco ambiente de mercado."

Hannover, 8 de novembro de 2018. Ao apresentar seus números de nove meses, a Continental confirma seus lucros ajustados e sua previsão de fluxo de caixa para o ano fiscal em curso. No terceiro trimestre, a empresa de tecnologia de Hannover alcançou um faturamento de 10,8 bilhões de euros. O resultado operacional ajustado do mesmo período foi de 772 milhões de euros. Isto corresponde a uma margem operacional ajustada de aproximadamente 7 por cento. O Free Cashflow ajustado pelas aquisições e a dotação das pensões nos EUA ao fim de nove meses é de aproximadamente 370 milhões de euros (T3: 74 milhões de euros). Espera-se que o Free Cashflow ajustado se mantenha sem mudanças, em torno de 1,6 bilhões de euros.

"Apesar do ambiente de mercado sombrio, pudemos manter nossos objetivos recentemente revisados", disse o presidente do Conselho de Administração da Continental, Dr. Elmar Degenhart, explicando os resultados financeiros apresentados hoje em Hannover. "Especialmente na Europa e na China, a produção de carros de passeio e veículos comerciais leves caiu significativamente no terceiro trimestre", explicou Degenhart. "A China e a Europa juntas representam agora mais da metade da produção mundial de veículos. Em vista da fraqueza do mercado em ambas as regiões, nosso leve crescimento do faturamento é, portanto, um bom sinal. A mesmo se aplica às nossas entradas de pedidos no setor de eletrônica automotiva: com pouco menos de 30 bilhões de euros depois de nove meses, está quase no nível muito alto do ano anterior e reforça nossa orientação estratégica", acrescentou.

O faturamento do Automotive Group cresceu organicamente 1,7 por cento, mais de 4 pontos percentuais mais rápido do que o mercado e a produção mundial de veículos que, segundo dados preliminares, caiu em aproximadamente 2,5 por cento. Se esta tendência negativa aumentar no quarto trimestre, a empresa cotada no índice Dax corre o risco de alcançar o volume de vendas do Grupo previsto para o ano fiscal de 2018, que estão em aproximadamente 44,5 bilhões de euros depois dos efeitos das taxas de câmbio.

 Quanto à situação atual da empresa de tecnologia, Degenhart disse: "Conforme anunciado, introduzimos medidas abrangentes para aumentar a eficiência em todas as divisões. Isto inclui a otimização da nossa cadeia de suprimentos e nossos processos de produção, bem como uma revisão minuciosa dos nossos custos." Neste contexto, destacou: "Nossos clientes no mundo todo apreciam nossos produtos e soluções porque fazem com que a mobilidade seja mais segura, limpa e inteligente. Com a agilidade e flexibilidade que a nossa nova estrutura organizacional nos proporcionará, continuaremos construindo sobre nossa posição de sucesso."

Com vistas à indústria automotiva, Degenhart sublinhou os enormes desafios técnicos: A digitalização, a automação, a conexão em rede e a eletrificação são, sempre consideradas por si mesmas, os maiores transtornos que a indústria experimentou em seus mais de 100 anos de história. Especialmente no que diz respeito aos futuros objetivos de CO2 que estão sendo debatidos atualmente, é importante harmonizar de forma razoável a proteção do clima e a competitividade de uma das indústrias mais importantes da Europa. "As oportunidades que a mobilidade favorável ao clima e conectada em rede oferece às nossas sociedades são consideráveis. Os modelos de negócio para isto somente podem ter sucesso no longo prazo, se forem impostos na livre concorrência. Os consumidores devem ter a liberdade de escolher a solução mais eficiente também amanhã."

A Continental continua crescendo apesar da queda dos números de produção na Europa e na China

No terceiro trimestre, a empresa de tecnologia alcançou um faturamento de 10,8 bilhões de euros. Isto corresponde a um crescimento do faturamento relatado de pouco menos de 1 por cento. A empresa cresceu 2,1 por cento por conta própria, ou seja, sem mudanças no perímetro de consolidação nem nas taxas de câmbio.

No trimestre de referência, o resultado operacional ajustado (EBIT ajustado) alcançou 772 milhões de euros e a margem operacional ajustada ficou em torno de 7 por cento.
"O EBIT ajustado do terceiro trimestre foi um pouco superior à nossa previsão de fins de agosto", explicou o diretor financeiro, Wolfgang Schäfer.

Isto se deve a que nem todos os gastos por provisões e reclamações de garantia anunciados em 22 de agosto de 2018 haviam sido realizados no terceiro trimestre. Haverá uma transferência para além da data de apresentação dos relatórios trimestrais. "Para o conjunto do ano, continuamos esperando uma margem EBIT ajustada de mais de 9 por cento", assim Schäfer sublinhou a perspectiva.

Resultado das operações, situação financeira e patrimonial do Grupo Continental © Continental AG

O EBIT ajustado no último trimestre foi em torno de 80 milhões de euros inferior ao EBIT (margem EBIT: 7,9 por cento). O pano de fundo é o efeito positivo no EBIT relatado da criação da joint-venture com OSRAM, anunciada no primeiro semestre de 2018.

"O ambiente de mercado está se tornando mais difícil. Pela primeira vez em quase dez anos, vimos uma queda substancial na produção mundial de veículos no último trimestre", disse Schäfer, comentando o atual ambiente de mercado. Na China, a diminuição da produção de carros de passeio e veículos comerciais leves no terceiro trimestre foi de 5 por cento em comparação com o trimestre do ano anterior, enquanto na Europa foi de 6 por cento. Ao contrário, a produção de veículos na América do Norte aumento 2 por cento. Em vista da fraqueza do mercado na Europa, Schäfer explicou: "A fraca demanda na Alemanha, no Reino Unido e na Turquia, bem como os efeitos da mudança para o novo processo de tratamento de gases de escapa WLTP, contribuíram para a diminuição dos números de produção na Europa. Não podemos quantificar a quantidade exata de WLTP".

A Continental espera que o ambiente de mercado se mantenha fraco durante trimestre restante do resto do ano. Para o quarto trimestre, a empresa prevê novas quedas nas taxas de produção, para o ano no seu conjunto espera-se que a produção mundial de carros de passeio e veículos comerciais leves se desloque lateralmente.

Automotive Group conseguiu aumentar o seu faturamento no último trimestre em 1 por cento em comparação com o trimestre anterior, apesar da diminuição da produção mundial de automóveis. O crescimento orgânico foi de 1.7 por cento. O faturamento neste período foi de 6,4 bilhões de euros. A margem operacional ajustada foi de 4 por cento (ano anterior: 7,8 por cento).

No terceiro trimestre, o Rubber Group gerou um faturamento de 4,4 bilhões de euros, o que representa um leve aumento em relação ao mesmo período do ano anterior. O crescimento orgânico no terceiro trimestre de 2018 foi de 2.7 por cento. Com vistas ao desenvolvimento positivo do negócio de pneus de inverno, Schäfer disse: "Devido em parte ao alto desempenho dos nossos pneus de inverno e a seus repetidos excelentes resultados nos testes, esperamos poder superar uma vez mais o nível recorde de vendas na Europa do ano passado de 2018."

Nos primeiros nove meses, a Continental investiu mais de 1,9 bilhões de euros em ativos fixos e software. A taxa de investimento foi de 5,9 por cento (ano anterior: 5,5 por cento). A empresa de tecnologia gastou mais de 2,5 bilhões de euros líquidos em pesquisa e desenvolvimento. Isto corresponde a uma taxa de 7,6 por cento do faturamento da empresa. No mesmo período do ano anterior foram 7,2 por cento.

No fim do primeiro trimestre de 2018 a Continental empregava mais de 244.000 funcionários. Isto corresponde a mais de 9.000 colaboradores adicionais em comparação com o fim do ano anterior. Quase três quartos deste crescimento são atribuídos ao fortalecimento da equipe global de pesquisa e desenvolvimento e ao aumento dos volumes de produção do Automotive Group. Ao redor de um quarto dos funcionários adicionais foi contratada no Rubber Group. Estes funcionários trabalham principalmente nas áreas de produção ampliadas e de vendas em crescimento.

Contato:

Henry Schniewind

Henry Schniewind Porta-voz de Economia & Finanças da Continental AG Telefone: +49 511 938-1278 Celular: +49 (0) 151 688 64 262 E-mail:

Vincent Charles

Vincent Charles Gerente de Mídias Telefone: +49 511 938-1364 Celular: +49 173 314 50 96 E-mail: